sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Solitude

Sensação estranha déjà vu. Um cheiro gostoso, doce e amável entrando pelas minhas narinas. Fito ao redor, mas não vejo o dono ou dona desse aroma tão agradável. Quero abraçar, e dizer que sinto sua falta, mesmo não sabendo quem é. Mesmo não sabendo o porquê. Ouço as risadas, as músicas e sinto sua respiração. Ando pelas ruas e vejo as pessoas se preparando para o carnaval. Melancolia. Que bizarro todos estarem animados e eu não. Viver pensando que já pude sentir o que agora não passa de um  déjà vu. Toda a memória escondida agora em um quarto de chão gelado em meu cérebro.
Queria tanto acreditar que existe algo além de nós mesmos. Queria ter asas. voar, voar e voar com destino a lugar algum. Aí dou o meu suspiro longo e suplicante, e lembro que não acredito em nada além de mim mesma. Não acredito nem nas cores, que dançam e fazem acrobacias diante de meus olhos. E tento afastar o pensamento de que tudo faz parte de um reflexo das minhas ilusões, fantasias e segredos reprimidos no olhar. Às vezes desejo, secretamente, acreditar em um deus ou em uma magia. Desejo acreditar em vida após a morte e paraíso. Desejo ter um pensamento sossegado de que algumas verdades são absolutas. Desejo ter comodismo. Talvez assim eu pudesse aquietar meu coração diante de fatos como a morte, por exemplo. Infelizmente, acredito na morte e acredito que as pessoas não têm alma. Elas simplesmente morrem, e às vezes só precisam de instantes para tal.
E um dia você sente o cheiro daquela pessoa especial, ouve o som de sua voz, olha nos seus olhos. No outro, parece não haver uma pista sequer de que aquilo tudo existiu. Você não sabe mais o que é real e o que faz parte do imaginário. As únicas provas são as roupas, perfumes e tudo o que é "coisa" deixada por ela. Deprimo a mim e aos meus sentimentos pensando nisso; e essa época do ano, assim como agosto, vai ser a pior dentro de mim. Eu perdi uma pessoa insubstituível. O buraco deixado não me matou, mas deixou uma ferida que insiste em abrir toda vez. Isso me faz pensar se tenho dado valor às pessoas a minha volta. Devo dizer "eu te amo" todos os dias? Devo, ainda, viver cada dia como se fosse o último?
Acho que vejo a vida passar diante dos meus olhos todos os dias, mas não me permito acreditar.

13 comentários:

  1. Nossa, esse texto é simplesmente lindo! Você tem uma sutileza e profundidade encantadoras. Fiquei comovida, verdade. O seu layout também está muito bem feito ( ADORO mesmo esse feeling clean sem muitas parafernalhas ). Uma pena que não tenha caixinha de seguiodores ):

    Obrigada pela visita! :)

    ResponderExcluir
  2. Carnaval sempre é complicado para quem vai, por isso que só assisto pela tv, sempre tem acidentes d trânsito e tal

    ResponderExcluir
  3. Seu talento para escrita é incrível! Já pensou em escrever um livro? se sim, te apoio totalmente!
    beijo :*

    ResponderExcluir
  4. Dificilmente eu paro pra ler textos, principalmente em blogs. Mas aqui foi diferente, vc tem um dom pra escrever que envolve as pessoas.
    Adorei d+ o seu texto, me identifiquei bastante.
    O seu blog também é muito bonito, e esse banner é um luxo só *-*
    Beijos Fernanda :)

    ResponderExcluir
  5. Acredite, eu tenho isso o tempo todo. É como se o mundo fosse colorido e eu estivesse em preto e branco. Mas não perdi nenhuma pessoa por essa época, mas sei o quanto dói.
    Nesses dias eu tenho pensado muito na minha vó que faleceu ano passado. Dia 5 foi aniversário dela e eu fiquei lembrando de coisas da minha infância, pq eu passava muito tempo com ela. Não lembro das coisas ruins, só das boas, mas mesmo assim as lágrimas veem e são incontroláveis. É muito triste saber que tu não pode mais ver a pessoa, conversar com ela.
    Mas acho que o que vale é ter convivido, ter rido junto, e até mesmo brigado. São essas coisas que deixam as pessoas insubstituíveis.
    :* bee, força!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, parabéns! Você escreve muito bem :3

    ResponderExcluir
  7. Que lindo seu texto, foi envolvente e profundo!
    Não gosto de carnaval, a única coisa de bom é o feriadão *-*
    Adorei seu blog.. aaah obrigada pelo comment no meu blog!
    Beijos ;*

    >http://applepie.world-blue.org

    ResponderExcluir
  8. Eu também perdi alguém insubstituível, ainda tô lidando com isso...

    ResponderExcluir
  9. Pessoas insubstituiveis deixam lembranças insubstituiveis. Agarre-se a essas lembranças e continue vivendo! Ainda existe muita gente que precisa dos seus "eu te amo". Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Tô apaixonada pelo seu layout *-----*

    beijo beijo

    http://lladodedentro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Bem abstrato seu post. Realmente, acredito que morremos um pouco a cada dia, e por isso devemos aproveitar cada sensação, cada momento. Não sei dizer o que acontece depois que morremos, é estranho pensar que simplesmente morremos e fim, acabou, não tem mais nada...

    ResponderExcluir
  12. Como falaram várias vezes aí em cima, eu também acho que você escreve muito bem! Queria eu escrever assim... -q Isso de aproveitar cada dia como se fosse o último, eu penso assim, mas, se eu morresse agora, acho que eu não estaria completamente feliz com as coisas que eu fiz, e estaria bem chateada pelas coisas que eu tinha que fazer e não fiz...

    Enfim, layout divo!

    Tem post novo no meu blog!

    Beijo,

    ResponderExcluir
  13. Carnaval é um saquinho mesmo,
    beijos!

    Fácil falar de Carnaval.
    Perdeu quem, Fehzona da zona?
    Nunca te vi por esse ponto de vista. 2º post que leio teu e você narra tudo. O último parágrafo me chamou a atenção. Às vezes, o momento parece ser aquele, aquela coisa eterna, que vai durar para sempre, e do nada, num baque, tudo vai por água abaixo e só ficam lembranças que te fazem sofrer, chorar e sentir raiva de quem se foi, um tempo passa, é aquele "será que existiu mesmo?". Eu penso assim sobre o meu ex, às vezes é como se tivesse durado bastante tempo, mas não me faz falta, parece que nunca precisei daquela pessoa, assim como aconteceu com outros na minha vida, tanto relacionamentos ou amizades. Talvez seja um baque psicológico que nos faz duvidar às vezes de certas existências.

    Dê a valor a quem te dá valor, eu aprendi isso.
    Eu dou valor até a coleguinha de classe, infelizmente, às vezes a decepção pra mim é profunda, acreditar nas pessoas, confiar demais e ter expectativas. Sai dessa. Ame quem você tem certeza de que te ama, é o que eu tento fazer.

    Beijo,
    te amo e me dê valor, largue o Heltinho.

    ResponderExcluir