sábado, 21 de abril de 2012

E o pulso ainda pulsa

As semanas têm passado como furacões, deixando os estragos e as terras em mim deslizadas. Estou perdida, sensível, esgotada e cansada. Sinto vontade de dormir para sempre, sem sonhar ou ter pesadelo. Acho que a palavra certa é morrer mesmo. Deitar numa dessas noites quentes e não acordar jamais. Deixar que meus pulsos parem de pulsar e apontar que ainda estou viva. E eu ainda estou viva. Respirando, andando, chorando, teimando, desistindo, caindo. Fazendo tudo certo e errado ao mesmo tempo. Lutando e perdendo em todas as batalhas dessa coisa esquisita chamada viver. Ai, que coragem eu queria ter para não viver mais. Até para morrer eu sou covarde. Que bicho mais ruim. Que agonia! Que raiva!
Esqueço e lembro que preciso me manter aqui. Por uma fatalidade, entre outras fatalidades, algumas poucas pessoas ainda gostam de mim. Ainda. Sou covarde também para pensar em dar um tiro em todas essas pessoas que nutrem esse apreço que me mantém com os pés no chão. Por que vocês sentem algo tão bom por uma pessoa tão estúpida? Não consigo formular nenhuma hipótese. Quer dizer, talvez tenha uma, mas é ridícula. Deve ser essa coisa chamada esperança. A gente ao meu redor deve pensar que tenho chance de sair dessa, ou que um dia vou acordar e ver que era neura minha. Anuncio, porém, que não tenho mais jeito. Já sou um vaso quebrado. Sem solução. Sem alternativa. Vão embora, por favor. É bem menos doloroso e funesto sem seus olhares cheios de sentimento. Minha alma já está suficientemente destroçada.
"E o pulso ainda pulsa". Isso, ele pulsa. E eu ainda nado contra a maré. Ainda quero correr na direção contrária do mundo. Enquanto as pessoas normais querem viver, se apaixonar, ter filhos, trabalhar, eu quero apenas me trancar no quarto sem ter ninguém para me abraçar. Não quero e nem mereço abraços. Na atual situação em que me encontro, tenho dúvidas se mereço até um tapa na cara.
Tem sido uma boa terapia escrever, apesar de não ter postado quase nada no blog. A sensação de angústia passou um pouco, mas confesso a vocês que ainda é muito difícil acordar dia após dia com uma vontade horrível de chorar. Obrigada a todos os comentários lindos de vocês que lêem o blog! Vocês fizeram com que eu tivesse vontade de continuar!