sábado, 24 de janeiro de 2015

Quando você sairá da adolescência?

Sinto que minha mãe está um tanto quanto cansada de aparecer nos meus posts, e vocês devem achar que eu tenho um complexo de édipo mal resolvido por aqui. Porém, esse blog é acima de tudo um blog sobre verdades, e a grande verdade da vida é que minha mãe não aguenta mais a minha adolescência. Compreensível? Pode ser que sim. Claro que pais sempre têm essa tendência a odiar a adolescência dos filhos, porque é um momento onde estamos moralmente perdidos em nossa própria desordem mental. Ser adolescente é não ser adulto nem criança, querer se identificar com o grupo e tirar algumas notas baixas na escola. Se tirarmos as variações entre uma pessoa e outra, a conclusão a que chegaremos é: ser adolescente é terrível.

- Mas Fernanda, você já tem quase 21 anos!

Sim, eu sei. E é justamente isso que a preocupa: eu já estou "velha" para coisas que ela associou a minha fase "chata", digamos assim nesses termos. Preocupada com meu desenvolvimento psicológico, minha genitora formulou uma série de perguntas pro nosso dia-a-dia, dentro de uma tese bem complexa que comprova por A+B que eu preciso urgentemente procurar um profissional especializado em transtornos mentais. POIS É.


Quando você vai tirar esse piercing?

Filha, fica parada! Tem uma orelha nos seus piercings!!

Pergunta delicada. Sempre adorei a estética dos piercings. Entretanto, meus pais nunca deixaram eu me governar e fazer o que eu bem entendesse com meu rosto. Desde os meus 14 ou 15 anos, eu queria colocar um piercing no nariz. Pedi aos dois, e recebi um não bem redondo. Disseram que eu era muito nova, e que quando fosse maior de 18 anos, poderia furar o que eu quisesse no meu corpo. E tenho pra mim o seguinte: os dois imaginaram que isso seria só uma fase, e que quando eu ficasse mais velha, veria piercings como o grande mal do século.

Daí fiz 18 anos, fui a um bodypiercer e furei.
RÁÁÁÁÁÁÁÁ
Quanta rebeldiaaaaaaaaaa
Pensaram que iam me impedir??????

O piercing inflamou. Nasceu uma queloide. Pensei que ia morrer. Foi mau olhado dos meus pais, sei que foi. Aí consultei meu médico preferido, o Google, que me indicou o modo certo de cuidar do meu nariz.
Se meus pais estão satisfeitos?
Minha mãe tem uma filosofia de vida que é a de não-intervenção em casos de adolescência aguda. Então ela não liga mais se meu nariz tem 1 milhão de buracos com metais dentro. Só pergunta se um dia eu vou crescer mesmo e tirar.
Tadinha, não sabe que meu próximo piercing será no tragus.



Mas como assim você quer fazer tatuagem?

Pessoa que a minha mãe não quer que eu seja.

Tatuagem é uma coisa que eu não fiz porque ainda não tive dinheiro. Mas já tenho vários planos pras minhas costas e barriga; *insira aqui uma risada maléfica*
Novamente, meus pais acham que logo vou enjoar dos desenhos. E tatuagem não tem volta, né? Fora isso, há o medo que eles têm de eu não dar certo na vida e virar vendedora da Chilli Beans. Possibilidades.
Ok, particularmente tenho medo de fazer tatuagem, principalmente porque escolhi uma área chatinha pra trabalhar. As pessoas do Direito são muito preconceituosas em todos os aspectos, e às vezes fico pensando comigo mesma o que diabos ainda estou fazendo lá. Enfim, reflexões pra um futuro post.
P.S.: MAS NAS MINHAS COSTAS QUEM MANDA SOU EUUUU, VAI TER DARTH VADER NAS COSTAS SIM. SE RECLAMAR VAI TER YODA COM SABRE DE LUZ.


E essas roupas pretas?

Essa é a modelo alternativa Savra. Mas se permitem a licença poética, essa sou eu indo pra faculdade.

Então, desde os 13 anos decidi que só iria vestir preto. Comecei a usar moda alternativa um pouco depois disso, e hoje praticamente todo o meu guarda-roupa é preto. Não tem nenhum significado profundo em torno disso, preto é minha cor preferida e me sinto linda em todas as roupas dessa cor. Claro que morando em Manaus, que faz calor o ano todo, tive que abrir mão disso algumas vezes e usar uma cor mais fresca de vez em quando. Meu maior problema atualmente é que tenho algumas blusas brancas, mas todos os meus sutiãs são pretos. A vida tem dessas...
Sobre as roupas, minha mãe já disse várias vezes que sou estilosa e ela me dá força pra usar moda alternativa porque ela acha lindo (?). Inclusive eu queria vender um coturno - que quase não uso porque dá trabalho pra calçar - e ela não deixou! Falou que ele é muito lindo e que se eu não quiser, ela usa.
Que mulher de fases...


Quando você vai sair da adolescência?

me larga, chulé!111!

Olha só... se tudo o que foi falado ali em cima é coisa de adolescente, sinto em te dar essa notícia triste, mãe querida: não vou sair. Isso não vai acontecer. A minha adolescência é uma entidade satânica que ocupa meu ser com o objetivo de me tornar uma pessoa excêntrica. Inclusive eu tenho planos pra minha aposentadoria (SIM!): ser uma idosa com cabelo colorido, que usa calça de couro e tem uma casa cheia de instrumentos musicais e um espaço pra minha Harley-Davidson. Vai ter terceira idade com estilo SIM SENHORA, se reclamar vai ter idosa indo pra festival de metal na Europa.

Queria dizer que talvez esses sejam os únicos resquícios da minha adolescência, em termos gerais. Afinal, o período de 13-17 anos foi bem legal, ok e tudo mais, mas passou. Não tenho mais tempo pra ficar a tarde toda no meu quarto fazendo desenhos, vendo vídeos na internet e até mesmo tretando com coleguinhas da escola. Não tem mais espaço pra escrever miguxês (uma pena, porque eu adorava esse gerador de miguxês) Tá difícil, tá puxado. Minhas conversas com minhas amizades, atualmente, giram em torno de:
- Mas eu fui super criticada porque votei na Luciana Genro, o que é um absurdo completo, já que...
(...)
-  Quando a gente vai sair pra beber e discutir as diretrizes da atual militância?
(...)
- Constitucional I e meu desejo: estar morta.
(...)
- E a prova da monitoria?
(...)
- E o concurso que abriu? Já leu o edital?
(essa conversa geralmente pula pra: SE EU NÃO PASSAR NESSE CONCURSO EU VOU MORRER)

Às vezes rola um papo sobre sexo selvagem, mas é puramente filosófico e ninguém transa. Então vou parar por aqui pra vocês não dormirem.

9 comentários:

  1. Quantas vezes eu já disse que eu adoro seus posts?
    Achei engraçado, porque meus hobbies incluem computador, ver desenho (animes, vai), jogar video-game e sair com os amiguinhos (ou fazer festa do pijama com eles) e meus pais acham saudável. Aliás, financiam todos eles se eu não puder sozinha. mais especificamente, meu maior hobbie foi por muito tempo conseguir ganhar do meu pai no video-game e ainda é gritar por ele quando só tenho mais 3 vidas e preciso matar aquele boss dos infernos, que ele sabe matar e eu não bjs.
    Nunca gostei e continuo não gostando de piercings porque sim e pronto. Não fede nem cheira, não faria, não acho bonito e só acho feio quando é exagerado (mas quem não acha, né? Olha, tem olhos naquela montanha de piercings e- pera, é uma pessoa. Cheia deles).
    Tatuagem é algo que acho bem maneiro, mas nunca faria porque basicamente tenho fobia de agulhas e dor então é. Eu e meus traumas de infância. D:
    Sua mãe já está no meu coração, leio tanto sobre ela que já é de casa. HAHAHAHAHA!

    Beijos Fernanda, sua querida <3

    ResponderExcluir
  2. Gente eu não sabia da existência do gerador de miguxês, que mundo maravilhoso essa internet
    Muito chato estar saindo da adolescência ainda porque perco a moral pra falar qualquer coisa sobre o post haha
    Mas lá pelos meus 13 anos, eu me sentia muito rebelde por passar um lápis de olho preto extremamente exagerado e ouvir Avril Lavigne (sério)
    A única coisa que permanece aqui em casa é o preconceito com tatuagens, minha mãe já se conformou que por meados de Maio eu apareço com uma, mas meu pai jura de pés juntos que se ele ver algo de estranho no meu corpo me mete pra fora de casa
    Sou uma filha tão boa gente, pra que isso

    Novembro Inconstante


    ResponderExcluir
  3. Minha mãe aceitou que sou excêntrica mesmo, adolescente ou não, fico feliz por isso :"D
    Ainda não tocamos no assunto tatuagem, mas tudo bem huahuahauhau
    O problema por enquanto são as perucas mesmo XD

    ResponderExcluir
  4. HAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAH ó, se preocupa não. Os melhores blogs do mundo são esses mesmo sobre verdades! Pelo menos pra mim <3

    percebi que temos muito em comum, mas meu caso é um pouco mais grave: Eu já tenho quase 23 e não sai da adolescencia. Na realidade, costumo dizer que já fiz 17 por 6 vezes e de lá nunca vou sair, lidem com isso.
    Tentei até virar adulta, mas isso me tornou um tanto quanto amarga. Decidi ser eu mesma e mandar todo mundo se ferrar :)

    A gente tem mesmo muito em comum, dona!

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. HUEAHUEAHUA ameeg, eu era exatamente assim, Digo ERA, porque hoje eu só uso blusinhas florais e sapatilhas, mas aos 13 eu me achava a Avril Lavigne. Ri alto aqui pq acabei de ler a Tati falando a mesma coisa acima HAHAHA me sentia ultra rebelde. Hoje posso fazer tatuagem, mas sinceramente penso 30 vezes antes se quero olhar praquilo o resto da vida. Tenho vontade de tatuar o Código Jedi e uma música do Placebo, mas ainda estou pensando. AMEI o post HAHAHA

    http://www.canseidesernerd.com/

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho meus vinte e tantos anos e às vezes me comporto como uma louca aborrecente. rs
    Normal isso, minha mãe pega no meu pé ai ligo o foda-se, coloco fone de ouvido e vou viver.

    Beijo

    ResponderExcluir
  7. HAUSHEUEHUA teus posts, sempre ótimos. Juro que uma vez no trabalho eu ouvi um pessoal "mais velho" conversando sobre piercings da filha de um deles e falando "mas isso é coisa da adolescência, logo passa" e eu quase entrei no meio pra responder: "para algumas pessoas não passa não" HAHAHAHA tipo eu. Tenho 23 anos e se eu pudesse eu teria vários piercings, alargadores enormes e muitas tatuagens (claro que se eu tivesse dinheiro também huahue) mas a área em que eu trabalho também é bem careta (saúde). Por isso tatuei as costas, mas já tenho planos para tatuar outros locais escondidos. Minha mãe é super de boa para piercing e tatuagem, quando eu fiz o meu da sobrancelha eu tinha 13 anos e ela que ficou perturbando o tatuador pra ele me furar HAHAHAHA ela tem tatuagem também, mas odeia alargadores e implica com os meus 6mm. Mas ok. Acho que vou morrer com essa síndrome adolescente também. Faz tempo que abandonei a moda preta, agora até que tenho uma quantidade boa de roupas coloridas, mas o preto é superior hahaha tá mais que apoiada em ser adolescente forever huahue beijos!

    www.entorpecendo.com

    ResponderExcluir
  8. Miguxa querida, seu post foi tão bom que eu chamei a minha irmã (14 anos, sinta o drama) e li em voz alta pra ela, com direito a altas risada e Hi-five na parte em que vc falou sobre a terceira idade de cabelo colorido - CARA, EU SEMPRE PENSEI NISSO.
    Eu ja fiz minha tattoo, ela é grande e no braço, minha mãe só não me amputou pq agora eu tenho 18, mas ela tem certeza de que um dia eu vou me arrepender e ela vai ter direito ao "há, eu te avisei" tão sonhado por pais de gente como a gente. hahaha
    Veremos, mamãe, veremos...

    ps1: A Savra é uma maravilhosa
    ps2: qt tiber Darth Vader nas costas vai ter foto no blog também <3

    ResponderExcluir
  9. uhauahauahua Eu agradeço por você ter comentado no meu blog (e consequentemente eu ter descoberto o seu!) Não sei porque, mas eu tenho certa dificuldade de encontrar uns blogs marotos como o seu e-e

    Mas enfim, indo para o assunto do post: seus pais pelo visto são parecidos com os meus. Não são do tipo que deserdam o filho ou fazem barraco por causa de body modification e similares, mas se pudessem escolher, escolheriam que o filho tivesse um visual mais ~normal~. Um dia ainda estudarei esse fenômeno louco que é essa importância que os pais dão pro visual dos filhos, seja em menor ou maior escala.

    Também tenho 20 anos e sinto que ficarei preso pra sempre na adolescência uhauahauha E sinceramente parece que eu só tenho piorado nas "adolescêntices". Pode-se dizer que até no aspecto ideológico, leio muito por ai que "ideais de igualdade é coisa de adolescente, quando você vira adulto você cai na real e entende como as coisa funcionam e para de dar uma de revolucionariozinho" e bom, quando eu era adolescente eu era mô ~reaça~ com um monte de coisa e hoje em dia não acho que querer coisas como igualdade seja perda de tempo não.
    Sei lá, vai ver que eu sou meio benjamin button nesse aspecto :P

    ResponderExcluir