sábado, 15 de agosto de 2015

Vamos Falar de Filmes Ruins #4

Nesse meio tempo em que passei fora, houve muito a dizer. Fiz mudança de uma casa pra outra, perdi um saco cheio de coisas importantes que nunca nessa vida vou recuperar (agendas com valor sentimental e tudo o mais), mas também vi alguns filmes, pois ninguém é de ferro. E se tem algo que me acompanha nessa grande jornada estranha que é a vida são filmes ruins.

Ontem foi um desses dias em que simplesmente cansei de fazer tarefas importantes como jogar conversa fora no Facebook pra dar atenção à minha mãezinha que chegou em casa com filmes novos.

- Olha, comprei esse filme aqui porque achei bem interessante.
- Legal, é com aquele ator que sempre faz papel de gente esquisita e com fobia social, né.

Duplo: Um filme que consegue ser PIOR que Dogville - e esse é um filme bem ruim
Consegue ser pior que a visão do Nicolas Cage em todos os desenhos da Disney

Achou bizarro? Veja mais aqui.
Antes que me crucifiquem por ter falado mal de Dogville e de toda a genialidade pseudo cult do Lars Von Trier, devo dizer que: sim, não tenho paciência pra filme que não tenha linguagem no mínimo próxima do mainstream. Não faço faculdade de cinema e não sou obrigada MESMO. Digo com todas as letras que o único filme que gostei do Lars Von Trier foi Ninfomaníaca, e falo isso sem peso no coração porque OLHA, SÉRIO, QUE PUTA FILME CHATO ESSE DOGVILLE. 

Ok, vamos falar de Duplo. A premissa é: um cara, Simon James (Jesse Eisenberg), está apaixonado por sua colega de trabalho Hannah (Mia Wasikowska - fui dar um Google nesse nome porque ô nome difícil, né minha filha), mesmo sem nunca ter falado com ela. Simon não tem amigos, não leva jeito pra interações sociais simples, não é notado no trabalho, e até sua mãe, uma senhora idosa e senil, não gosta dele. Ou seja, o cara está na merda. Como se não bastasse, um belo dia chega ao trabalho um novo empregado totalmente diferente dele: extrovertido, amado pelos colegas, com atitude e jeito para mulheres. É CLARO que o cara, James Simon, é um duplo dele - algo tão, mas tão explorado no cinema que o roteiro parece ter sido uma colcha de retalhos de uns mil outros filmes sobre o gênero. A tensão começa no momento em que Simon é o único que vê a semelhança entre ele e James.


O começo é extremamente empolgante, confesso, pois o cenário é atemporal e futurista. Porém a genialidade disso passa longe, já que parece ser uma cópia mal feita de Laranja Mecânica. A música também é um tanto quanto curiosa: escolheram várias músicas japonesas que lembram a década de 70, e elas deixam a narrativa muito engraçada. Ok, essa parte é bem legal. E muitas das vezes o som dos violinos se mistura ao som de máquinas, ruídos urbanos e outros sons depressivos que compõem a imagem.

Mas, mesmo com pontos positivos, por que Duplo entrou na sessão do Vamos Falar de Filmes Ruins?
Resposta: porque eu quis.
Não, brincadeira!
Porque Duplo deixa no ar uma série de perguntas sem resposta ao longo de 90 minutos. Talvez isso seja o que mais me irrite em filmes que fogem à lógica mainstream (não que filmes mainstream não estejam sujeitos a levantarem perguntas sem resposta, vide Inception e seu final que me dá raiva, mas isso é mais frequente em filmes fora do grande circuito comercial). Não tem nada que eu deteste mais que um monte de simbologia que aparece na tela e você fica tentando adivinhar o que tudo isso quer dizer. E às vezes não quer dizer NADA.
Tem umas cenas em que aparece uma galinha sendo morta ou sei lá, o filme acabou e ainda não vi ligação alguma da galinha com o resto do filme. Também introduziram uma senhora muito. estranha. do mesmo asilo da mãe de Simon que virava pra ele e dizia algo como "Você é um rapaz muito esquisito" e essa foi a grande frase de efeito dela (?????). Nossa, aparecem outras coisas tão bizarras que não tenho nem como descrever para vocês de forma fidedigna: um padre que mais parece o anticristo, pessoas bizarras que trabalham para a polícia, a própria Hannah que parece não comer direito há meses.
Fora isso tem algo que me irrita muito em Simon: ele não gosta simplesmente da Hannah. Ele a persegue. Observa a moça dia e noite. Mora na frente da casa dela e tem UM MALDITO TELESCÓPIO APONTADO PRA JANELA DELA. Ele vasculha o lixo dela!!! Isso não é gostar, isso é ser stalker.

Vejam, muita gente assistiu e disse NOSSA, QUE FILME GENIAL. Sinceramente? Nessa temática de duplicidade e loucura, sou muito mais Fight Club que pelo menos tem o Brad Pitt sem camisa  com a cara toda arrebentada batendo nos outros - não há tantas definições de paraíso equivalentes.

+ Brad Pitt
- Jesse Eisenberg

10 comentários:

  1. Achei Nicholas Cage em todos os filmes da disney mais bacana que o filme então, HAHAHAHA! Isso só me remeteu as aulas de literatura em que meu professor falou sobre o fascínio que as pessoas tem pelo duplo, o gêmeo bom e o gêmeo mal, e essas coisas. Tem cara de ser um filme que eu ia gostar, mas acho que nunca vou ver (a não ser que me obriguem, aí quem sabe). Ferdiva e seu post dos filmes ruins sempre me salvando das possíveis ciladas dessa vida, como não apreciar? <3 sem moderação, claro!

    Aproveito a passadinha pra te contar que te indiquei pra um meme :* porque acho que tuas respostas nele vão ser Ó, SUCESSO!

    Beijos gata <3

    ResponderExcluir
  2. Eu amo quando você fala de filmes ruins, embora eu saiba que muito provavelmente nunca vi nem verei esses filmes dos quais você fala.

    Eu nunca vi nada desse Lars Von Trier, acredita? Todo mundo fala tanto e eu só fico boiando.

    Fiquei curiosa pra ver esse filme por causa da trilha sonora, mas a história não parece ser lá grandes coisa mesmo. E eu tenho sentimentos mistos por esses filmes que geram muitas dúvidas e não dão muitas respostas. Acho que tem que ser algo bem feito pra eu gostar, mas em geral eu sempre fico perguntando pras pessoas o que diabos está acontecendo, porque não me conformo em não saber. Se o próprio filme não dá as respostas, tem o Google e as teorias pra isso, hauhauha.

    Beijinhos ;*

    ResponderExcluir
  3. Confesso que não assisto muito filmes que não sejam mainstream, apenas alguns e também não gosto quando ele é carregado de simbologias *algumas simbologias são legais, mas não muitas, senão vira uma obra de arte contemporânea daquelas que é preciso pensar muito e ter alguém que saiba da temática te explicando sobre o que é exatamente aquilo*. Não conhecia esse filme e depois do seu post nem me interessarei em assistir. Mas filmes ruins fazem parte de nossas vidas, infelizmente. O problema é quando a gente gosta deles e as pessoas já te olham julgando seu gosto cinematográfico *isso acontece muito comigo, na parte de gostar de filmes ruins e não de julgar*

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Ta louco, odeio esse jesse einsenberg. Só falta filme framboesa hahaha
    Infelizmente não vi nem Clube da Luta nem Dogville então posso opinar pouco hehehe

    Red Behavior

    ResponderExcluir
  5. gentemmmm, pq todo mundo odeia Dogville? haha :(
    Eu nunca vi, ok, posso estar me perguntando algo óbvio, mas, sei lá. Na faculdade meus professores falavam muito bem, principalmente pela ambientação do filme. Um dia eu vejo, um dia eu vejo.
    Eu gosto de simbologia, acho que dá poder pra cada um interepretar de acordo com o que é/sabe/conhece. Aí que vem aquelas discussões intermináveis. Mas, as vezes acontece de a gente não conseguir interepretar nada, pq né...
    ELe é tipo um stalker machistinha de bosta então. HAHA brinks
    Poxa, eu achei o filme uma bosta pelo que você disse, por isso mesmo vou assistir laksjdfhaksdf depois te falo se eu encontrei algum sentido pra galinha sendo morta (??)

    beijo

    ResponderExcluir
  6. Amiga, o filme tem tudo pra ser péssimo mas eu fiquei curiosa pra ver
    Me perdoa eu nunca te pedi nada

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  7. Meu, tem vezes que temos uma péssima escolha de filme e revemos nosso conceito após assistir. Tipo WHATAFUCK EU PERDI TEMPO DE VIDA FAZENDO ISSO.
    Te entendo totalmente!
    Esse livro abrange todas as mitologias? Porque eu conheço mais sobre a mitologia nórdica e a celta, tenho interesse em todas as outras.

    Adorei mesmo a indicação!

    | A Bela, não a Fera |

    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir
  8. o mais louco que mesmo vc metendo o pau no filme... deu vontade de ver... kkkk

    ResponderExcluir
  9. Nunca vi esse filme, mas já tinha ouvido falar -mal- dele por ai.
    Sabe que eu to numa fase de quase não ver filmes, a não ser aqueles que super estou empolgada por ver. Ou se tenho certeza que é bom. Sabe? Ando checando as estrelinhas, porque não tenho paciencia.

    E claro, ótima observação sobre o stalkear, a maioria das pessoas acha até fofo, quando na verdade o cara é um psicopata stalker e não tem nada de lindo nisso.

    Beeijo
    http://resenhandosonhos.com

    ResponderExcluir
  10. Bom saber pra eu não perder o meu tempo assistindo. Haha

    Beijos

    ResponderExcluir